Caio Blat sobre cena de sexo entre homens em ‘Liberdade’: ‘Eu me sinto honrado’

663


‘Liberdade, liberdade” promete entrar para a história da teledramaturgia brasileira como a primeira novela a exibir uma cena de sexo entre dois homens. A atração que o sensível André (Caio Blat) e o bruto coronel Tolentino (Ricardo Pereira) sentem um pelo outro será consumada no capítulo 54 da trama, previsto para ir ao ar no dia 12 de julho.

— Eu me sinto honrado e orgulhoso de estar contando essa história. É sinal de que a sociedade já está madura o suficiente para tratar de certos assuntos que até então eram considerados tabus. Estamos prontos para falar mais abertamente sobre homossexualidade na TV — afirma o ator Caio Blat.

Mário Teixeira, autor da novela, diz que, mesmo tratando-se de um assunto delicado, não impõe limites a seu texto.

— Eu não controlo nada, a escrita é absolutamente libertária. Conto a história como ela deve ser contada. Não vai haver sexo explícito, é óbvio, porque trata-se de televisão e porque sexo explícito é uma coisa de mau gosto. E, nesse caso, são dois galãs, duas estrelas da TV. É uma história que é levada da forma que tem que ser. Não com leveza, mas com verdade. Acho que as pessoas vão entender isso — afirma o autor, explicando que enxerga o relacionamento entre André e Tolentino como qualquer outro: — É um amor de um homem por outro, mas podia ser de um homem por uma mulher. Para mim, sinceramente, não tem diferença. Amor e desejo não têm sexo.

No tom exato

A cena ainda não tem previsão para ser gravada, mas os dois atores e o diretor Vinícius Coimbra já conversaram sobre referências diversas. Nas rubricas do capítulo, o autor assinala: “André abraça Tolentino. Que corresponde. Clima. Tempo. Olhos no olhos. André aproxima o rosto para um beijo. Tolentino vira o rosto, recusando a princípio, atormentado, mas por fim não resiste. É um beijo represado, afoito, desesperado, angustiado. Tira a camisa. André engole em seco. Tolentino o empurra para a cama. André cai sentado. Começam a transar. Na transa urgente, adiada, bruta e tão ansiada”.

— A novela tem uma linguagem de época, as cenas têm trazido uma dose de violência, de brutalidade, e a gente não tem como fugir disso. Mas acho que essa sequência vai ser dirigida com toda a leveza possível. Vinícius tem o tom exato que quer dar para a história. Já conversamos bastante sobre várias referências, mas só na hora a gente vai ver como fica junto com a luz, a câmera, a edição, a sonorização, enfim, é um processo longo até chegar ao resultado final. Tenho certeza de que vai acompanhar o bom gosto e a qualidade que são marcas da obra — afirma Caio.

Torcida pelo casal

Até então, a cena de beijo entre Félix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso), em “Amor à vida” (2014), tinha sido a maior ousadia da TV aberta quando o assunto é relacionamento gay. Na época, o casal ganhou a simpatia e a torcida do público para que terminasse junto, assim como tem acontecido com André e Tolentino.

— Todo mundo torce a favor deles. Tenho recebido uma resposta muito boa dos gays, que se sentem representados pela dor e pela angústia dos dois. Querer ficar junto, mas ter que lutar contra o medo pela repressão. Toda forma de preconceito e de violência é inaceitável — defende Caio, contando que seu personagem será massacrado na trama: — Ele vai ser denunciado por sodomia, preso, processado e, provavelmente, mandado para a forca. Vamos mostrar como é medieval e absurdo esse tipo de perseguição.

Ricardo Pereira concorda:

— O amor que existe ali é lindo e traz muito do que a novela defende: a luta contra o preconceito e a intolerância, pela igualdade entre todas as pessoas.

Vinícius Coimbra acredita que o debate acerca da esperada cena vá além da questão da homossexualidade:

— Deve refletir o drama de cada pessoa que sofre algum tipo de repressão ou condenação social, seja por sexo, cor, religião ou qualquer outra forma de segregação.


Sobre Caio Blat sobre cena de sexo entre homens em ‘Liberdade’: ‘Eu me sinto honrado’

Fonte:Extra / Leia mais clicando aqui
Todos os direitos reservados ao Jornal EXTRA