‘Êta mundo bom!’ chega ao fim como maior audiência às 18h desde 2007

922


Fenômeno inegável, “Êta mundo bom!” chega ao último capítulo, hoje, como um estrondoso sucesso de audiência. Para uma legião de telespectadores, o folhetim de Walcyr Carrasco fará falta. Desde 2007, com “O profeta”, uma trama das seis não atingia tanto alcance. Não à toa, o elenco é tão assediado nas ruas. Para onde vai, Sergio Guizé é chamado de Candinho, por exemplo. E por incrível que pareça, o ator ainda não se acostumou com essa situação.

— Fico um pouco sem graça, pois infelizmente não sou o Candinho. Mas é uma abordagem muito especial. Acabo, por consequência, me emocionando. Como meu nome não é tão conhecido, aproveito para apresentar o Sergio ao público — brinca o paulista de 36 anos: — Fiz meu maior papel. Não tive nem como imaginar o deslumbre. É como aquele ditado: escorregou na área, é pênalti! Penso mais no Candinho do que no Sergio Guizé.

Flávia Alessandra diz o mesmo. A loura assume que, por vezes, a energia da vilã Sandra a dominou. A entrega foi total, sem “mimimi”, com direito a torta na cara numa das cenas de humor:

— Vou até meu limite, e perco um pouco a noção do que estou fazendo na hora. Mas é assim que eu acredito. A personagem demorava um pouco para sair de mim após as gravações, mas o que importava era o resultado ficar incrível.

Mafalda (Camila Queiroz) termina trama ao lado de Zé dos Porcos (Anderson Di Rizzi) Foto: Divulgação / Rede Globo

Como em outras produções assinadas por Carrasco, o mundo animal novamente deu um show à parte — impossível esquecer o burro Policarpo, melhor amigo do protagonista caipira. Dessa vez, porém, um bicho se destacou sem nem mostrar os próprios pelos. Metáfora usada pela ingênua Mafalda (Camila Queiroz) — a menina ansiosa em consumar os desejos do corpo —, a palavra “cegonho” tomou um divertido significado sexual dentro e fora das telas.

— Virou um personagem, né!? — exclama Anderson Di Rizzi, intérprete do roceiro Zé dos Porcos, escolhido como par pela filha de Cunegundes (Elizabeth Savala): — Nos estúdios, era impossível ficar sem rir. Rolavam altas piadas. Alguém sempre soltava uma gracinha! Imagina ver Ary (Fontoura) e Flávio (Migliaccio) falando essas coisas… Acho que o público gosta disso. É algo incomum! Quando a gente liga a TV, a cada dia, tem uma nova bomba política. A novela desconectou a gente disso tudo. Foi um acerto!

“Candinho foi meu maior papel”, diz Sergio Guizé
“Candinho foi meu maior papel”, diz Sergio Guizé Foto: Artur Meninea / Rede Globo/Divulgação

Altos da novela:

– Sérgio Guizé foi o maior nome do folhetim: encarnou o mocinho caipira com uma ousadia pouco vista na TV.

– Graças a seu talento, Bianca Bin transformou a coadjuvante Maria num dos papéis principais.

– O núcleo rural divertiu a telinha do início ao fim: os apelidos (Boca de Fogo) e expressões (“ê, lasqueira!’’) caíram na boca do povo. As cenas pitorescas, envoltas pelo clima despretensioso do campo, trouxeram mais leveza para a faixa das seis.

– A trama envolvendo o “cegonho’’ foi um caso de sucesso à parte. A metáfora sexual se incorporou ao vocabulário dos telespectadores.

– A equipe de cenografia deu um show à parte com os disfarces de Pancrácio (Marco Nanini). Aliás, a volta do ator às novelas foi coroada!

Baixos da novela:

– Nos primeiros meses do folhetim, a história pareceu arrastada, sem viradas. O ritmo ágil demorou a surgir. Mas surgiu.

– Como protagonista, Débora Nascimento deixou a desejar. Em momentos alternados, Filó aparecia com sotaque caipira e sem sotaque. Confundiu!

– Pegou mal assistir a Flávia Alessandra novamente como uma vilã platinada. A comparação com Cristina, de “Alma gêmea”, foi inevitável. Por que loura?

– As cenas de comédia pastelão, envolvendo lama, guerra de comida e brigas homéricas, ultrapassaram a fronteira do bom-humor, resvalando, em alguns momentos, para o besteirol que apenas busca audiência. Menos é sempre mais, não?

– Por que os personagens não usaram o gerúndio em nenhum momento? Eles viviam a andar, a falar, a comer… A novela se passava em Portugal?


Sobre ‘Êta mundo bom!’ chega ao fim como maior audiência às 18h desde 2007

Fonte:Extra / Leia mais clicando aqui
Todos os direitos reservados ao Jornal EXTRA